BLOG | CERRADO

REPROGRAMAÇÃO DE MÁQUINAS: QUAIS OS PERIGOS DA PRÁTICA?

Entenda como a prática de chipagem funciona e quais os riscos que ela traz para os tratores e máquinas agrícolas, segundo os especialistas. Veja mais abaixo!

 

No meio agrícola, os produtores rurais sempre buscam maior produtividade e desempenho, para conseguir aumentar a rentabilidade da fazenda e os números da lavoura. Entre as técnicas empregadas, está  a reprogramação de máquinas, conhecida popularmente como chipagem, um método que consiste em alterar certas características de fábrica para modificar a performance do equipamento. No entanto, esse método oferece sérios riscos à performance e desempenho do equipamento e não deve ser utilizado como alternativa para melhorar a produtividade da fazenda, pois pode acarretar em diversos prejuízos.  

 

Segundo informações do Globo Rural, a reprogramação de máquinas custa em média de R$3 mil a R$6 mil e pode alterar definições relacionadas a potência, combustível e torque dos veículos, por exemplo, sendo um serviço procurado no meio agrícola para equipamentos como tratores, pulverizadores, colheitadeiras e outros.

 

Contudo, essas alterações podem  esconder  alguns riscos desconhecidos pelo produtor rural, gerando muita dor de cabeça e até prejuízos financeiros. Neste artigo, vamos discutir sobre os riscos da reprogramação de máquinas e como os produtores rurais precisam ficar atentos às promessas de aumentar a potência da máquina e o menor consumo de combustível.

 

Como funciona a reprogramação de máquinas?

 

O avanço tecnológico voltado para a agricultura permitiu uma gama ainda mais moderna de máquinas que conseguem entregar resultados cada vez melhores para o produtor rural e seu empreendimento. Contudo, muitos empreendedores do campo procuram o serviço de reprogramação para escalar ainda mais.

 

Mas, como funciona a chipagem de máquinas? De acordo com informações do portal Cultivar, em veículos em que os sistema de injeção de combustível é realizado eletronicamente, é possível utilizar o computador para alterar todos os parâmetros controlados por esse sistema, modificando o chip dos computadores de bordo ou também a adição de chips complementares, essa técnica originou o nome  “chipagem”.

 

Após as modificações, os parâmetros de ponto de ignição, quantidade de combustível e a pressão do turbo, por exemplo, são alterados para fornecer uma melhor performance. Entretanto, o serviço de reprogramação de máquinas não é recomendado pelos fabricantes dos veículos e pode trazer sérias consequências para o equipamento.

 

Quais fatores você deve prestar atenção?

 

Ao realizar esse serviço, o produtor rural pode perder a garantia de fábrica, o que será um enorme problema caso o equipamento apresente algum defeito. Outro ponto é que a contratação de  um profissional desqualificado pode ocasionar outros problemas no equipamento para além da reprogramação. O surgimento de defeitos na máquina  acarreta inúmeros prejuízos, que mexem não apenas com a parte financeira da fazenda, mas também a produção, que depende da máquina para prosseguir.

 

É importante ter em mente esse fator para tomar uma decisão mais consciente e não se arrepender no futuro, já que o custo do serviço também é elevado. Mas, esse não é o único cuidado que você deve tomar! Veja abaixo outros pontos de atenção.

  • Falta de credibilidade do profissional

De acordo com o diretor do Núcleo de Ensaio de Máquinas Agrícolas (Nema), doutor Fernando Schlosser, divulgado no Globo Rural, é importante pesquisar bem e checar a credibilidade das empresas que prestam esse serviço, para evitar problemas com a máquina, já que o profissional precisa ter conhecimentos técnicos em mecânica, além de instrumentos específicos, como o dinamômetro.

  • Vida útil comprometida

Ao aumentar o torque e a potência, a máquina acaba tendo sua vida útil comprometida, principalmente por ultrapassar as predefinições de transmissão e rodados da fábrica, já que sobrecarrega o sistema e resulta no mau funcionamento do motor. Mas, por que isso ocorre?

 

O fabricante elabora os quesitos mercadológicos de uma máquina e considera todos os aspectos técnicos, como o nível de torque e potência, nível de rotação, capacidade, diversos sistema e outros componentes indispensáveis para o bom funcionamento do equipamento no campo. Ao aumentar essa potência, consequentemente, são alteradas todas as definições e o equilíbrio da máquina.

  • Danificar outras peças

De acordo com o diretor de engenharia industrial da FPT Industrial, Alexandre Xavier, alterar o sistema das máquinas pode acarretar em prejuízos que superam os benefícios que o produtor rural pretende alcançar com a prática, como a quebra do pistão, aumento da temperatura e trinca de turbos. 

 

Além disso, o profissional reforça que não é uma questão apenas de aumentar a potência e reduzir o consumo, pelo contrário, envolve outras complexidades. Ao desenvolver o equipamento, o fabricante realiza diversos testes, como a calibração, os parâmetros práticos e a checagem da temperatura das turbinas, bem como as emissões da máquina, que precisam atender à legislação brasileira e dos órgãos de preservação, como o Ibama.

  • Sobrecarga do sistema

Dar esse up na performance do trator nem sempre é sinônimo de desempenho no campo, principalmente se a máquina não comportar essas melhorias. Por exemplo, se o  equipamento não comportar o lastro adicional necessário para  chegar a uma relação peso/potência satisfatória não irá entregar a performance esperada inicialmente, de acordo com informações do portal Cultivar. Com isso, as melhorias podem ser prejudiciais para a máquina, causando elevação do consumo, falhas precoces, além dos danos mencionados anteriormente e o aumento das emissões.

 

Afinal, fazer ou não a chipagem no equipamento agrícola? 

 

A chipagem permite fazer uma série de alterações no equipamento agrícola, mudando as configurações originais de fábrica e prometendo incrementar a performance de tratores e implementos agrícolas. 

 

Contudo, o produtor rural precisa ter em mente os riscos que corre ao optar pela reprogramação de máquinas, principalmente nas garantias ilusórias que quem executa o procedimento promete. Também é importante ficar atento, pois por mais fascinante e sedutor que a reprogramação de máquinas possa parecer, é preciso ter cautela e critério, principalmente com os efeitos colaterais que os empreendedores rurais possam ter futuramente.

 

Vale ressaltar que em caso de problemas futuros, após a reprogramação da máquina, o fabricante tem todo o direito de recusar quaisquer solicitações de garantia ou reparo do equipamento, visto que a máquina não carrega os padrões originais de fábrica. Por isso, é importante ter muito cuidado com as alterações feitas na máquina e sempre procurar a opinião de um especialista e/ou fabricante.

 

Acompanhe o nosso  blog e siga as nossas redes sociais,  InstagramFacebook. Cadastre-se em nossa newsletter para receber informações direto na sua caixa de e-mail.

 

Por Thais Rodrigues*

*Estagiária sob supervisão de Isabela Azi

 

FONTES: 

 

Globo Rural – https://revistagloborural.globo.com/ 

Revista Cultivar – https://www.grupocultivar.com.br/home 

Portal Agropecuário – https://www.portalagropecuario.com.br/

Mais Artigos

DESMITIFICANDO O MANUAL: LINHA CASE IH PATRIOT 250

A linha PATRIOT 250 da CASE IH foi elaborada para empregar alto desempenho e versatilidade nas propriedades rurais, com maquinários agrícolas tecnológicos e inovadores para o campo. Dessa forma, os pulverizadores conseguem melhorar a performance,

PLANO SAFRA 2021/22: ENTENDA TUDO SOBRE O NOVO PLANO

Confira as principais novidades do Plano Safra 2021/22 e como garantir os benefícios do aporte financeiro voltado para os produtores rurais. Saiba mais aqui!   Quem está ligado à atividade rural, seja direta ou indiretamente,

FINANCIAMENTO DE TRATORES: VOCÊ SABE COMO FUNCIONA?

O financiamento de tratores é uma das alternativas utilizadas pelos produtores rurais para adquirir a frota agrícola. Conheça as particularidades, programas e como financiar seu trator!   As máquinas agrícolas representam uma revolução no campo,

Envie sua Mensagem

Cadastre para receber nossos conteúdos

CONTATO

Rodovia de Acesso a BR 354
KM 0,1
CEP: 38840-000
+55 (34) 3851-6000
contato@cerradocase.com.br

Avenida Bartolomeu de Paiva, 821
Bairro: São Benedito
CEP: 38950-000
+55 (34) 3631-3035
contato@cerradocase.com.br

Rodovia 251, 6300
Bairro: Chácara Recanto dos Araças
CEP: 39404-128
+55 (38) 3215-7173
contato@cerradocase.com.br

Rod. Br 262, Km 481,80
CEP: 35600-000
+55 (37) 3522-7575
contato@cerradocase.com.br