BLOG | CERRADO

Defensivos biológicos: como fazer o manejo na fazenda?

A aplicação de insumos, como os defensivos biológicos, já são uma realidade dentro das fazendas e reforça a importância de se explorar tecnologias sustentáveis para a produção de alimentos, com um menor impacto para a fauna e flora. Mas como manejar corretamente os defensivos biológicos na lavoura? Veja aqui!

 

Na agricultura moderna, tecnificada e mais inteligente, a busca pela sustentabilidade aliada às práticas agrícolas é constante. O resultado é o crescimento do mercado de insumos biológicos, que combinam essa necessidade com uma tecnologia mais sustentável e de resultados significativos.

 

O crescente interesse por esse mercado que movimenta a economia brasileira é motivado tanto pelos estudos avançados e programas governamentais, como o Programa Nacional de Bioinsumos, quanto pela menor dependência por produtos químicos, que são muitas vezes importados e mais caros.

 

No campo, os bioinsumos possuem aplicações relevantes para o processo produtivo, como no manejo do solo para a nutrição das plantas e também para o controle de patógenos, chamados também de defensivos biológicos ou biodefensivos.

 

Assim, como aproveitar esses resultados no manejo de patógenos nas lavouras? Como qualquer outro insumo agrícola, é preciso aplicar os defensivos biológicos de forma estratégica e isso requer certos cuidados para garantir uma aplicação mais assertiva no controle desses invasores.

 

Neste texto, você entenderá como funciona a utilização dos insumos biológicos no campo, por que nos últimos anos tem se investido neste tipo de solução dentro das fazendas e também a forma de manejo e pulverização, que alia técnica com avanço científico e tecnológico.

O que são os bioinsumos e por que ficar atento a este mercado?

 

O mercado de insumos biológicos, ou bioinsumos, tem se mostrado muito forte para quem deseja plantar tendo um baixo impacto ambiental. Não é para menos, já que estudos conduzidos pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) reforçam um acréscimo de 20% na produtividade.

 

Por isso, a expectativa é que esse mercado cresça em até R$ 17 bilhões nos próximos 7 anos, tendo o Brasil como um dos principais países responsáveis por esse aumento. No setor de defensivos biológicos, por exemplo, o Brasil ultrapassa a média global de crescimento, com 35% na safra anterior.

 

Além disso, em 4 anos o mercado de defensivos no País aumentou cerca de 63%, também mais que a média global observada, de pouco mais de 12%. Diante desse mercado promissor e muito atrativo para os produtores rurais, o que são os insumos biológicos?

 

Esses insumos são desenvolvidos através de muita ciência, a partir de processos agroindustriais tendo como base enzimas, extratos, microrganismos, metabólitos secundários e feromônios, destinados ao controle biológico, conforme conceituação da Embrapa.

 

Como os defensivos biológicos atuam nas culturas?

 

Como você viu no tópico anterior, o Brasil é um dos países com ampla utilização dos insumos de origem vegetal, animal ou microbiana no campo. Os defensivos biológicos, por exemplo, são amplamente utilizados em importantes culturas, como soja, algodão, milho, café, tomate e muitas outras.

 

Para se ter uma dimensão, na safra 21/22, a área tratada com biodefensivos no Brasil correspondeu a 28% do total das lavouras brasileiras, tendo a soja como a cultura com maior área tratada pelo controle biológico.

 

Atualmente, os produtores rurais utilizam os defensivos biológicos associados ao controle químico dentro de suas lavouras, combatendo os principais nematóides, doenças e outros patógenos das lavouras. Inclusive, desde 2021, o número de registros de novos defensivos biológicos cresceu significativamente.

 

Esse aumento é resultado do aperfeiçoamento das técnicas científicas, que contribuíram para que novas formulações mais eficazes fossem inseridas nas fazendas.

 

Quais são os benefícios do emprego dos defensivos agrícolas no campo?

 

A utilização de defensivos biológicos nas fazendas brasileiras cresceu significativamente nos últimos anos, sendo empregado nas principais culturas do País. Esse bom resultado apenas reforça a boa performance dos insumos biológicos e uma alternativa muito atrativa para o produtor rural.

 

Mas você sabe quais os benefícios agregados com o uso dos defensivos biológicos no campo? Confira a seguir:

  • Baixo impacto de aplicação

A crescente preocupação com o meio ambiente fez com que o agro investisse mais em atividades de baixo impacto ambiental, com práticas mais sustentáveis na cadeia produtiva. Uma dessas práticas é justamente a incorporação de insumos biológicos, principalmente a aplicação de biodefensivos.

 

Por ser feito através de insumos com ativo biológico, animal e ou microbiano, eles promovem um equilíbrio maior no manejo de pragas, doenças e insetos no campo.

  • Menor dependência de insumos vindos do exterior

Como você viu no texto, a maioria dos insumos de produtos químicos são importados pelo Brasil o que aumenta muito os custos do produto. Quem paga essa conta? Isso mesmo, o produtor rural, gerando também um aumento dos custos de produção.

 

Contudo, com o emprego de defensivos biológicos e outros insumos de mesma origem, que são produzidos no Brasil, esses custos são bem menores, além de reduzir a dependência dos insumos importados.

  • Maior segurança no manejo da lavoura

Se não manejados corretamente dentro da fazenda, os insumos químicos podem causar contaminação e trazer riscos para a vida humana. Diferentemente da utilização de insumos biológicos, que oferecem maior segurança para o produtor rural.

 

Isso significa que os produtos químicos não devem ser utilizados? Não é isso, inclusive o uso de insumos biológicos pode ser um grande aliado dos insumos químicos.

  • Combinação entre ciência e tecnologia

Por trás dos resultados da aplicação de defensivos biológicos no campo tem muita ciência e tecnologia que fazem com que esses insumos atuem especificamente contra seus alvos, sem comprometer a lavoura.

 

Além disso, até chegar ao mercado, suas formulações passam por etapas de pesquisa, o que torna esses produtos mais seguros e capazes de melhorar os resultados da fazenda. Essa evolução do mercado de insumos biológicos veio para ficar e quem ganha mais com isso são as lavouras.

  • Alternativa para a resistência do patógeno

O uso indiscriminado de agroquímicos no controle de pragas, doenças e insetos pode provocar maior resistência do patógeno em relação ao produto utilizado. Dessa forma, o produtor rural precisa gastar mais para conseguir um efeito similar.

 

Contudo, o emprego de defensivos biológicos também surge como uma alternativa bem-sucedida à resistência de patógenos, além de proteger as lavouras por um período maior.

 

Quais os cuidados no manejo e pulverização de defensivos biológicos?

 

Para conseguir garantir a integridade dos defensivos biológicos e também os resultados no campo, o produtor rural precisa estar atento com o manejo e a pulverização dentro de sua propriedade. E quais são esses pontos de atenção? Entenda os detalhes neste tópico:

  • Armazenamento dos insumos biológicos

Sim, a forma como você armazena o produto faz toda a diferença na pulverização agrícola, seja ele biológico, químico ou qualquer outro tipo de insumo utilizado na lavoura. No geral, é preciso manter o defensivo biológico em local adequado, que seja arejado, sem umidade e incidência solar direta.

 

Para manter as características do produto, a temperatura do local deve ser amena e é preciso mantê-lo distante de outros produtos, principalmente alimentos.

  • Tecnologia de aplicação

Tão importante quanto o emprego dos defensivos biológicos no campo é primar por uma boa execução na distribuição do produto. Afinal, a eficácia do produto e, consequentemente, os resultados dependem também disso.

 

Portanto, além de contar com o pulverizador ideal para a operação, é necessário ter atenção ao bico de pulverização, a vazão, preparação do produto, regulagem da máquina e tudo que envolve a tecnologia de aplicação de defensivos, sejam eles biológicos ou não.

 

Ainda sobre a máquina, ter um pulverizador com tecnologia agregada, que fornece melhor precisão na aplicação, garante a qualidade das gotas e consegue otimizar a operação é um grande diferencial no campo. Esse é o caso da linha de pulverizadores da Cerrado Patriot, parceira Case IH.

  • Condições climáticas favoráveis

Não tem como falar sobre manejo e pulverização de defensivos biológicos sem mencionar as condições climáticas. Todo produtor sabe os efeitos do clima na agricultura, sobretudo na pulverização, onde o clima pode contribuir para o aumento da deriva.

 

Para uma aplicação mais segura, o produtor rural precisa se atentar à velocidade do vento, que não deve ultrapassar os 6,5 km/h. A temperatura e umidade do ar são outros fatores que determinam uma pulverização bem-sucedida.

 

No caso da temperatura, o ideal são condições mais amenas de até 30ºC, sendo que a umidade não pode ultrapassar os 55%.

 

Conclusão

 

Os defensivos biológicos e outros insumos de origem animal, vegetal e microbiana estão em rápida expansão no mundo, sobretudo no Brasil, um dos principais mercados com áreas tratadas com insumos biológicos.

 

Por isso, entender como esses produtos atuam no campo é importante para utilizá-los de forma estratégica. No texto, você viu como os insumos biológicos são constituídos, os seus benefícios, como esse mercado cresceu nos últimos anos e novas projeções.

 

Além disso, conferiu detalhes sobre manejo e pulverização de defensivos biológicos e os cuidados para garantir uma operação mais precisa e com resultados significativos.

 

Gostou do conteúdo e quer ter acesso a mais informações do agro? Acompanhe a Cerrado no Instagram, Facebook e YouTube, para conferir conteúdos como este sobre culturas, tecnologia, mercado e máquinas agrícolas, além de outros temas que contribuem para aumentar a sua produção.

 

FONTES:

Agro Inovadores – https://agro.genica.com.br/

Tecnal – https://tecnal.com.br/pt-BR/home

Agriq – https://www.agriq.com.br/

Crop Life Brasil – https://croplifebrasil.org/

Embrapa – https://www.embrapa.br/

 

Mais Artigos

Qual a previsão para o mercado do milho em 2024?

 As previsões para o mercado do milho desempenham um papel crucial na tomada de decisões dos produtores agrícolas. É preciso estar atento a notícias, informações e estudos para conseguir aproveitar oportunidades e ultrapassar desafios. Mas

Envie sua Mensagem

Cadastre para receber nossos conteúdos

CONTATO

Rodovia de Acesso a BR 354
KM 0,1
CEP: 38840-000
+55 (34) 3851-6000
contato@cerradocase.com.br

Avenida Bartolomeu de Paiva, 821
Bairro: São Benedito
CEP: 38950-000
+55 (34) 3631-3035
contato@cerradocase.com.br

Rodovia 251, 6300
Bairro: Chácara Recanto dos Araças
CEP: 39404-128
+55 (38) 3215-7173
contato@cerradocase.com.br

Rod. Br 262, Km 481,80
CEP: 35600-000
+55 (37) 3522-7575
contato@cerradocase.com.br